A equivocada visão do princípio da insignificância pelo STJ

Por Mateus Castriani Quirino


         Em recente decisão de habeas corpus (HC 49.423), a sexta turma do Superior Tribunal de Justiça sustentou, sobre frágeis argumentos, que o valor do bem furtado não é determinante para a aplicação ou não do princípio da insignificância. Em seu voto, o ministro Hamilton Carvalhido sustentou que "Em que pese o valor do bem subtraído ter sido avaliado em R$ 80, não se pode concluir pela ínfima afetação do bem jurídico tutelado, notadamente pela presença da periculosidade social da ação do agente”. Valendo-se igualmente de argumentos abstratos, vagos e imprecisos – e.g., “periculosidade social” - foi denegada a ordem de habeas corpus, com a devida vênia, de forma incorreta.

         Primeiramente cumpre assinalar que o resultado jurídico – que não se confunde com o resultado naturalístico -  é requisito essencial do injusto penal (seja o crime material, formal, ou de mera conduta), em assonância com o princípio da ofensividade. Nesse diapasão, tem-se que o resultado jurídico penalmente relevante há de ser significativo, caso contrário resta excluída a tipicidade penal (precisamente a material), em razão do princípio da insignificância - cuja autoria atribui-se a Claus Roxin. 

         O referido princípio, fulcrado no adágio minima non curat praetor, afasta a tipicidade material do fato que, apesar de se amoldar ao tipo penal (formalmente típico), acarreta mínima ofensa ao bem jurídico protegido, porque “em verdade o bem jurídico não chegou a ser lesado”1.

         Considerando-se  a tipicidade penal como composta pela tipicidade formal corrigida pela tipicidade conglobante (onde se inclui a tipicidade material), ainda que se constate a ocorrência daquela em relação ao fato objeto do habeas corpus julgado pelo STJ, não se pode dizer o mesmo da última.

         Analisando o caso sob um perspectiva do desvalor do resultado, apenas a transcedentalidade da lesão é insuficiente para que se configure a tipicidade material do fato, sendo necessária, igualmente, a relevância da ofensa ao bem jurídico.  Não é possível  desvalorar a conduta prescindindo ou minimizando o resultado (jurídico), como pretendeu o ministro relator, referindo-se à suposta “periculosidade social” da conduta do agente.

         Destarte, levando em conta que o bem jurídico que se pretende tutelar com o tipo normatizado no artigo 155 do Código Penal é o patrimônio do indivíduo, é indeclinável, para se avaliar a significância ou não do injusto, mensurar o grau de extensão da infringência a esse bem jurídico específico, considerando, por conseguinte, o valor da coisa 2 no caso concreto. Assim, por questão de lógica,  deve-se considerar o bem jurídico tutelado pelo tipo como parâmetro para a aferição da magnitude da lesão e só assim pode-se concluir se se trata de caso de aplicação do princípio da insignificância.

         Não se pode legitimar uma intervenção punitiva quando não haja, pelo menos, a afetação transcedental e relevante de um bem jurídico. Quando passa a agir sobre conflitos de lesividade ínfima, o processo de criminalização atinge um patamar de irracionalidade intolerável.

         Vencido o voto do ministro Nilson Naves que, de forma coerente, manifestou-se sustentando que “a melhor das compreensões penais recomenda não seja mesmo o ordenamento jurídico penal destinado a questões pequenas – coisas quase sem préstimo ou valor”.

         De fato, não há como sustentar, como o fez a maioria da Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça, a necessidade da insurgência do poder punitivo neste caso concreto, por ser irrazoável em relação ao mínimo grau de intensidade da afetação ao bem jurídico, tendo em conta a feição subsidiária do Direito Penal,  que em razão da sua drasticidade, deve ser a ultima ratio para a manutenção da ordem jurídica.

         A decisão do STJ caracteriza um retrocesso na busca de um direito penal garantista. É imprecisa, do ponto de vista técnico jurídico, ao ingnorar o bem jurídico tutelado pelo tipo como parâmetro para a aferição da extensão da sua própria lesão.  É ingênua, ao irradiar a insurgência punitiva a um conflito mínimo, acreditando que o direito penal possa resolvê-lo.

 
Notas:

[*] El autor es Acadêmico de Direito da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e estagiário do Ministério Público Federal. Su email: mateuscq@gmail.com

1. BITENCOURT, Cezar Roberto. Tratado de Direito Penal. Parte Geral, v. 1. São Paulo : Saraiva, 2006.

2. Nesse sentido, dentre outros, NUCCI, Guilherme de Souza. Código Penal Comentado. 4. ed. São Paulo : Editora Revista dos Tribunais, 2003.

Revista de actualización permanente. Se recomienda citar: Apellido, Nombre. "Título del trabajo" en DPO - Derecho Penal Online [en línea]. Disponible en: http://www.derechopenalonline.com

Hecho el depósito de ley 11.723. Todos los derechos reservados. 2000-2017 ©derechopenalonline. ISSN 1853-1105. Prohibida la reproducción de cualquiera de los textos incluídos en este sitio web sin la correspondiente autorización del titular del sitio.




Nuevo en el sitio

Prisión domiciliaria rechazada. Madre de tres niñas. Nulidad y reenvío. Necesidad de relevar el interés concreto de las niñas en su situación concreta y su opinión.Cámara Nacional de Casación en lo Criminal y Correccional, Sala I, , causa 55.611/14 “F., C. s/legajo de ejecución penal” del 28/3/2017
Da prova no processo penal: lineamentos teóricosPor Bruno César Gonçalves Da Silva